Ano 4 (2017) – Número 2 - Editorial

Capa: Estudantes do Centro Educacional Minha Infância em visita ao Museu de Geociências durante a programação da 15ª Semana Nacional de Museus (imagem: Pabllo Santos).

 

 

10.31419/ISSN.2594-942X.v42017i2

 

Belém, 29 de junho de 2017

Apresentamos o número 2 (2017) de nosso boletim BOMGEAM. Este, como os anteriores, está rico em conteúdo, e principalmente porque sucede a realização bem sucedida da 15ª. Semana Nacional de Museus, oportunidade em que participamos com intensa atividade através do nosso Museu de Geociências, no período de 15 a 22.05.2017. Ao mesmo tempo recebemos a participação de pesquisadores do Museu Emílio Goeldi, enfatizando o rico ecossistema costeiro do Estado do Pará, representado pelos manguezais. Abaixo reproduzimos a apresentação feita pelo Dr. José Francisco Berredo, que capitaneou os trabalhos sobre este tema. Manifestação do Dr. José Francisco Berredo:

“Manguezais: ontem, hoje…..e o futuro? Os manguezais são ecossistemas ecótonos, de florestas tropicais, que guardam estreitas relações com a dinâmica do sistema Terra-Oceano-Atmosfera. Os manguezais são importantes para a reconstrução paleogeográfica e paleoclimática porque os seus registros são encontrados desde o Paleoceno. Por isso, são considerados ótimos indicadores de mudanças costeiras ou flutuações do nível do mar. Também se trata de um meio de alta produtividade primária (2000 Kcal /ton. /ano), com grande relevância para a cadeia trófica.

São fatores determinantes para a distribuição mundial dos manguezais, o clima, os mecanismos de dispersão das plantas, a capacidade de preservação/sobrevivência das espécies e o meio de dispersão por correntes marinhas e marés. O desenvolvimento e a composição das comunidades de manguezais dependem da temperatura, tipos de sedimentos, salinidade, duração e frequência de inundação, marés e ondas, além de outros fatores não periódicos.

Aproximadamente 150.000 km2 de comunidades de manguezais ocorrem ao redor do mundo, constituindo um número reduzido de espécies para uma floresta tropical, dominadas genericamente por Avicennia e Rhizophora. No Brasil, os manguezais distribuem-se desde Santa Catarina (Laguna) até o Amapá (Oiapoque) sendo notável a exuberância e o estado de preservação dos manguezais do Pará, Amapá e Maranhão que, juntos, formam o maior conjunto de manguezais do planeta, e as costas mais produtivas.

Dada a relevância do tema para o conhecimento do funcionamento dos ecossistemas costeiros do Pará, o número 2/2017 (junho) do BOMGEAM reuniu alguns trabalhos que põem em evidência resultados científicos importantes sobre o conhecimento dos manguezais, tanto do ponto de vista geológico, como, também, abrangendo aspectos da biogeoquímica desses ambientes”.

Além do tema manguezais temos muita abordagem mineralógica do dia-a-dia e também exótica. Vale a pena conferir.

Boa leitura.

Marcondes Lima da Costa e José Francisco Berredo

Ano 4 (2017) – Número 2 - Artigos

01 – A influência das áreas-fonte para os sedimentos dos manguezais da costa paraense: consequências mineralógicas e geoquímicas

José Francisco Berrêdo, Museu Paraense Emílio Goeldi; Marcondes Lima Costa, Instituto de Geociências, UFPA; Maria do Perpétuo Socorro Progene Vilhena, Universidade Federal Rural da Amazônia; Christiene Lucas Rafaela, Universidade Federal do Pará.

02 – As curtas variações do clima na costa paraense e sua influência no ecossistema de manguezal do estuário do rio Marapanim, nordeste do estado do Pará

José Francisco Berrêdo, Museu Paraense Emílio Goeldi; Marcondes Lima Costa, Instituto de Geociências, UFPa.; Maria do Perpétuo Socorro Progene Vilhena, Universidade Federal Rural da Amazônia; Christiene Lucas Rafaela, Universidade Federal do Pará.

03 – Biotransferência de elementos químicos nos organismos dos manguezais de Curuçá

Maria do Perpétuo Socorro Progene, Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus de Tomé-Açu; Marcondes Lima Costa, Universidade Federal do Pará; José Francisco Berrêdo, Museu Paraense Emílio Goeldi; Rosildo S. Paiva, Universidade Federal do Pará.

04 – Acumulação e o ciclo biológico dos elementos químicos nos manguezais de Marapanim, no nordeste do Pará.

Maria do Perpétuo Socorro Progene Vilhena, Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus de Tomé-Açu; Marcondes Lima da Costa, Universidade Federal do Pará; José Francisco Berrêdo, Museu Paraense Emílio Goeldi.

05 – Formação de placas de pirita em raízes de manguezal

Christiene R L de Matos, doutoranda do PPGG/IG/UFPA; Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências/IG/UFPA; José Francisco Berrêdo, pesquisador do MPEG.

06 – A importância dos óxidos de ferro e argilominerais para o desenvolvimento da vegetação dos manguezais de Bragança (PA)

Cleise Cordeiro da Cruz, Museu Paraense Emílio Goeldi.

07 – Análise petrográfica e mineralógica (MEV-EDS) de granada-estaurolita xisto aluminoso do Sistema Orós-Jaguaribe, Província Borborema

Rosemery da Silva Nascimento, GMGA/FAGEO/IG/UFPA; Vânia Maria Fernandes Barriga, FAGEO/IG/UFPA; Marcondes Lima da Costa, GMGA/FAGEO/PPGG/IG/UFPA.

08 – Minerais da carapaça do Teredo sp. de Salinópolis-PA

Daiveson Serrão Abreu, mestrando do PPGG/IG/UFPA; Laís Aguiar da S. Mendes, doutoranda no PPGG/IG/UFPA; Marcondes Lima da Costa, professor do Instituto de Geociências e Curador do Museu de Geociências/UFPA.

09 – Raízes Fósseis nas Bauxitas de Trombetas – PA

José Diogo de Oliveira Lima, mestrando no PPGG/UFPA & Marcondes Lima da Costa, curador do Museu de Geociências/UFPA.

10 – Pérolas de alumínio metálico em vasos cerâmicos de povos indígenas

Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências/IG/UFPA; Davis Castro dos Santos, Pós-doutorando do PPGG/IG/UFPA, Rayara do Socorro Souza da Silva, Graduanda IG/UFPA.

11 – Vestígios de fuligem na cerâmica de Caxiuanã-PA: micromorfologia e química das marcas de uso

Glayce Valente & Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências/UFPA.

12 – Machadinho do sítio arqueológico Torga do Mota

Paulo Ronny Soares Rodrigues, mestrando do PPGG/IG/UFPA; Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências/IG/UFPA.

13 – Modelos didático-pedagógicos em geociências: o estado da arte após 30 anos de experimentações metodológicas aplicadas em turmas de licenciatura plena na Universidade Federal do Pará

José Fernando Pina Assis, Faculdade de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, e-mail: josepina@ufpa.br.

Ano 4 (2017) – Número 2 - Notícias

01 – Tarde Musical do Museu de Geociências

Marcondes Lima da Costa.

02 – Cenas e Fatos da 15ª. Semana Nacional de Museus através do Museu de Geociências da UFPA

Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências da UFPA.

03 – Vândalos subtraem uma grande fração da amostra 2424 do acervo do Museu de Geociências e por que e para que?

Marcondes Lima da Costa.

04 – 15ª. Semana de Geologia de Carajás e 50 anos da Descoberta da Província Mineral de Carajás

Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências da UFPA.

05 – A origem do Dino que embeleza a mesa de reuniões do Museu de Geociências

Marcondes Lima da Costa, Curador do Museu de Geociências da UFPA.

06 – XVI Congresso Brasileiro de Geoquímica

Será realizado em Búzios-RJ o XVI Congresso Brasileiro de Geoquímica. É a mais importante evento de exposição dos avanços das Geoquímica no Brasil e momento de congraçamento daqueles que estão envolvidos com este ramo das Geociências. Recomendamos fortemente.

07 – 15º. Simpósio de Geologia da Amazônia

Será realizado em Belém-PA o 15º. Simpósio de Geologia da Amazônia, no período de 25 a 29 de setembro do corrente ano. É o nosso importante evento de Geologia, que vem mantendo a sua tradição, inclusive continuando de forma guerreira a série Contribuições à Geologia da Amazônia. O Museu de Geociências da UFPA se fará presente a este evento, como o fez no anterior, com exposição de parte do seu acervo mineral. Encorajamos a participação de todos aqueles que tem alguma relação com a Geologia da Região, ou não.

08 – Novas amostras do Museu de Geociências

Pabllo Henrique Costa dos Santos.

09 – VISITAS GUIADAS AO MUSEU DE GEOCIÊNCIAS

Pabllo Henrique Costa dos Santos.